segunda-feira, 29 de março de 2010

Guilherme de Pádua - um proscrito - e os crentes

"Toda vez que saía da prisão, transferido, ou para ser julgado, havia uma multidão me esperando para xingar. Jogaram até cocô em mim. No meio daquilo tudo, estavam sempre dois ou três crentes com a Bíblia, pregando a paz. Eu os achava uns malucos, mas quem mais me tratava como gente?"

As palavras acima foram extraídas do artigo "Guilherme de Pádua, livre há 7 anos, diz se sentir preso", da Folha On Line, 15 de outubro de 2006. Na entrevista ao repórter Paulo Sampaio, o ex-ator, condenado pelo assassinato de Daniela Perez, em 1992, revela sua dificuldade em retornar ao pleno convívio social. E diz que a religião foi a única alternativa. Enquanto as pessoas estavam dispostas a linchá-lo, ainda havia alguém disposto ao perdão.
Segundo a reportagem, Guilherme de Pádua cumpriu um terço da pena de 19 anos, voltou à sua cidade (Belo Horizonte/MG), tornou-se membro da Igreja Batista da Lagoinha e se casou com uma moça da igreja. Pode-se afirmar que no Brasil as penas não são efetivamente cumpridas, que há muitos benefícios legais, que pouco mais de seis anos de prisão não é justo para um assassino. Todavia, essa foi a pena aplicada pela Justiça Penal, e isso o Guilherme de Pádua cumpriu. Dessa forma, o desafio agora é a reinserção social, tão difícil quanto a pena em si.
Mas o que me chamou a atenção na entrevista foi o fato de Guilherme de Pádua ter reconhecido naqueles crentes "com a Bíblia" uma demonstração de que nem tudo estava perdido. Para mim, que sou um tanto racional demais - o que reconheço -, ficar com a Bíblia na mão na frente de um fórum, apelando contra o linchamento ou dizendo que Jesus perdoa pecados, não é a melhor maneira de evangelizar. Mas foram esses irmãos que despertaram a fé no coração do homem condenado por homicídio.
Nos dias de julgamento do casal Nardoni, havia um homem com a Bíblia na mão, pregando contra a fúria da multidão. Perturbada, a massa queria bater no homem. O que é isso?
Lembro do filme O motim em que se retratava o problema dos "intocáveis" da Índia. Intocáveis eram pessoas que, por algum erro cometido, caíam em desgraça. Dessa forma, Guilherme de Pádua pode ser considerado um tipo de pária pela sociedade, que, não satisfeita com a condenação penal, impõe a condenação eterna.
Isso ocorre independentemente da pena. Mesmo se houvesse uma pena perpétua, o rapaz continuaria sendo visado como o eterno assassino. Sim, ele foi julgado e considerado culpado, mas a posição da sociedade em relação aos ex-presidiários precisa ser revista.
Não digo que seja uma situação fácil. Temos muitos preconceitos, e há casos de reincidência e real periculosidade. Mas não podemos simplesmente entregar essas pessoas ao limbo. Um meio de atenuarmos a nossa rigidez demasiada é pensarmos o seguinte: e se fosse eu no lugar dele?



O artigo da Folha pode ser encontrado no seguinte endereço:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u127056.shtml


Um comentário:

João Armando disse...

Li a entrevista no site da Folha. É impressionante. Não posso julgá-lo como convertido simplesmente pelo que diz lá, mas tampouco posso achar que alguém possa estar fora do alcance do poder de Deus, mesmo que seja psicopata (não sei se é, falo em hipótese). SE realmente se converteu, que Jesus maravilhoso temos, que pode tornar o pior pecador um santo. Pior do que ele foi o autor do hino "a graça eterna", que era traficante de escravos, e ele deu maravilhoso testemunho de conversão. O mundo se escandaliza com isso, mas a loucura de Deus é muito superior à sabedoria dos homens!

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.