terça-feira, 30 de março de 2010

O Palácio da Justiça

Imagine um lugar que ostente a placa "Palácio da Justiça". Esse lugar deve ser um poço de correção. Seus "palacianos" devem ser pessoas justas, probas, cujas decisões se baseiam sempre no bem comum e nas leis. Essas pessoas devem ter uma conduta exemplar, além de qualquer manual ou código de ética. Suas comissões de sindicância funcionam. A lei serve para todos, desde o zelador até o chefe da instituição. Esse deve ser um lugar ideal.
Todavia, não é assim. Estamos no mundo. Numa sociedade secularizada como a nossa, o mesmo palaciano que promove a justiça pública erra feio na vida privada. Adultera, xinga, mente, provoca ira nos filhos, destrata subalternos, apavora quem dele precisa, goza privilégios ilegais (o que já é público), defende um corporativismo infantil, não vê a necessidade do pobre. Sua justiça é farisaica, como um sepulcro caiado - bonito por fora e horrível de ossos secos por dentro.
Quem promoverá a avaliação da moralidade alheia? Qual será o concurso, qual será o critério para apurar a idoneidade de cada candidato ao Palácio da Justiça? Há testes psicológicos, mas são para a mente. Há testes de conhecimento, mas são, também, para a mente e o uso da técnica. Há testes de conduta social e da vida pregressa, mas nada que aprofunde muito, nada que veja além das certidões cíveis e criminais. Não há mesmo como vasculhar o coração do homem. E ninguém deve julgar.
Então, como fazer com a hipocrisia dos palacianos? Como aceitar que o juiz aceite suborno, que o defensor da lei seja o primeiro a descumpri-la? Como confiar numa pessoa que engana a sua esposa? Como confiar em quem detesta o mundo e os homens que nele habitam?
Esse é o desafio de todos nós. Vivemos numa sociedade complexa. O mundo é complexo. Nem sempre a justiça pública se fundamenta nos valores verdadeiros. Nem sempre os encarregados da administração da justiça são efetivamente pessoas que se preocupam em andar direito. E a maioria das pessoas enxerga isso como sendo normal: "uma coisa é o trabalho dele, outra é o lado pessoal".
Tudo bem. É assim, até certo ponto. Haverá um Dia em que até os palacianos serão julgados. Estarão eles sem nenhuma proteção institucional, sem foro privilegiado, sem máscaras, sem corporações. Estarão todos nus diante do Rei dos reis. Todos estarão atentos à prolação da Sentença Final. E naquele Dia todos serão iguais perante o Rei.

Um comentário:

João Armando disse...

Essa é a nossa esperança. Aliás, já somos, desde já, iguais perante o Rei. Só o sangue de Cristo faz a grande diferença - mas aí é o sangue. Só o sangue.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.