sexta-feira, 18 de julho de 2008

Combater a violência com tiros na rua é burrice

A criminalidade no Rio de Janeiro tem um componente especial, que é o domínio de favelas por grupos de traficantes de drogas. Encastelados em morros, que são como cidades paralelas, os criminosos governam com armas pesadas e com a ausência do Estado. Por isso, combater esse tipo de violência exige ações inteligentes das forças policiais, associadas a uma política de segurança pública que valorize a prevenção.
De fato, uma coisa é prevenir e reprimir crimes comuns, não ligados ao tráfico. Parece-me que esses crimes podem ser controlados com certa facilidade - sempre sem a necessidade de tiros aleatórios e abordagens policiais confusas. Mas no caso do tráfico de entorpecentes, que gera uma série de outros crimes, demanda-se um grau muito mais elevado de especialização policial e política governamental de médio e longo prazo.
Na verdade, a política de segurança pública tem que ser política de Estado, e não apenas de governo. É necessário um conjunto de leis que estabeleçam instituições duradouras no combate ao crime, sem que se alterem as regras a cada quatro anos, numa oscilação medonha entre políticas linha-dura e políticas liberais.
Não creio que o crime seja um efeito da desigualdade social. Muito menos o crime organizado! Fosse assim, não poderíamos punir criminosos, porque seus atos seriam resultado de uma injustiça social, e não se explicaria o fato de a maioria dos pobres não entrar para o mundo do crime. Esse discurso de que a criminalidade é produto puro e simples da injustiça social é coisa de quem analisa todos os problemas do mundo sob a ótica sócio-econômica, como os herdeiros de Marx.
No entanto, é certo que a ausência do Poder Público nas favelas contribui para a) o aliciamento de menores por parte das quadrilhas; b) o grande risco de um confronto com bandidos atingir inocentes; c) a consolidação de uma ideologia do marginal, em lugar de um senso de pertencimento à sociedade política.
Por que motivo as favelas nunca são demasiado distantes do centro? Porque os moradores se acotovelam para morar mais perto das regiões centrais, com suas vantagens. Eles querem pegar menos ônibus, economizar. Se houver melhoria do transporte público, acredito que as favelas poderiam desaparecer aos poucos - que sonho!
Mas é preciso estancar a fonte de financiamento do tráfico ilícito de entorpecentes, que, por sua vez, produz homicídios, roubos, furtos, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha, corrupção policial e criação de grupos de extermínio. Quem são, pois, os investidores do tráfico de drogas? São os usuários, agora protegidos pela Lei nº 11.343/2006, que, se não descriminaliza o porte de drogas, lhe conferiu verdadeira despenalização, que não se coaduna com um País que precisa, com urgência, diminuir drasticamente a expansão do tráfico de drogas.
Certamente boa parte do financiamento do crime de tráfico de drogas vem de ricos e da classe média. Os pobres, quando viciados, roubam, furtam ou fazem "seqüestros-relâmpago" para obter um dinheiro que lhes garanta um prazer passageiro. Tudo isso vai fomentando mais e mais os crimes violentos, porque, além dos crimes dos viciados, há os crimes atrelados à defesa dos territórios do comércio ilegal de drogas, seja contra as investidas da polícia, seja contra facções rivais.
Sei que estou escrevendo coisas óbvias, mas a vontade de que isso mude é tão grande que me arrisquei a procurar um caminho.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.