terça-feira, 8 de julho de 2008

Eu só quero a igreja como ela deve ser*

Não quero mais do que uma igreja que seja comunitária. Não quero mais do que uma igreja que seja organismo. Não quero mais do que uma igreja com diversidade de dons. Não quero mais do que uma igreja amorosa, calorosa. Não quero mais do que uma igreja humana em Cristo.Não quero uma igreja perfeita, sei que isso não existe. Não estou em busca de humanos perfeitos. Quero apenas e tão-somente a igreja-corpo de Cristo, a igreja-rebanho, a igreja-lavoura e edifício de Deus.As relações na igreja não podem ser exclusivamente verticais. Discordo incisivamente da noção de que a igreja só adora a Deus e pronto. Precisamos das relações em nível horizontal, precisamos da fraternidade, precisamos da comunhão. Não quero transformar a igreja em clube social: antes, quero que ela seja aquilo para que foi constituída - o amor fraternal entre os salvos."Uns e outros", "uns para com os outros" são expressões neotestamentárias referentes ao necessário entrosamento dos irmãos. Não me conformo com os cultos em que a gente fica como mero espectador, assistindo a uma sucessão de talentos. Gostaria de que as reuniões aproximassem, em vez de afastar as pessoas.Há um problema sério com as igrejas grandes. Com mais de 300 membros já começa a ser muito difícil a administração do rebanho. Se não houver um corpo cuidadoso e suficiente de pastores, como serão visitadas as ovelhas em suas reais necessidades? Estou para entender que uma igreja em que o pastor não consegue visitar as ovelhas ao menos uma vez ao ano deveria rever seu tamanho e seu propósito. Dividir nem sempre é ruim, nesse sentido de criar outras congregações de igrejas grandes para um pastoreio mais efetivo.Igreja, por definição, tem que ser acolhedora, mas o que tenho visto são grupos divididos por vaidade.No Brasil, há dois tipos nocivos de "crescimento" evangélico: o inchaço do número de supostos evangélicos e a divisão de igrejas formando novas denominações. Surgem igrejas "mega", com estruturas absurdas, parecendo shopping center, para deleite de seus acomodados membros. O que é isso? Até quando quereremos agradar as pessoas em lugar de agradar a Cristo?Há igrejas em que o membro não consegue ser útil. Se ele deseja fazer alguma coisa, tem que passar por certos escaninhos burocráticos que mais parecem feudos. Tem que falar, por exemplo, com o pastor tal, que cuida da subdivisão de evangelismo pessoal, que por sua vez se vincula ao setor de evangelismo, ligado ao departamento de evangelismo e missões. Se fizer qualquer coisa sem passar pelos trâmites, sem falar com as pessoas certas, haverá retaliações motivadas por ciúmes.Não consigo aquiescer com líderes que desrespeitam o cuidado das ovelhas. Não consigo aceitar a conduta de quem não enxerga a igreja como feita de pessoas. Sim, a igreja somos nós. Nenhum tijolo do templo irá subir naquele Dia.
*Também publiquei este texto em www.ultimato.com.br, na seção Palavra do Leitor, no dia 07/07/2008.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.