terça-feira, 22 de abril de 2008

Criou o homem seu deus à sua imagem

Deus criou o homem e a mulher à Sua imagem e semelhança (Gn 1.26,27), mas o homem e a mulher criam deuses à sua imagem e semelhança.
Quem destaca os milagres afirma que "nosso Deus é um Deus de milagres", e coloca o sobrenatural como aspecto mais importante, como se prodígios sempre tivessem que ocorrer para confirmar a atuação de Deus na vida humana.
Quem é muito sentimental afirma que Deus é mais amoroso do que justo, esquecendo-se de que amor é ação, mais do que emoção, e de que os atributos de Deus não se contradizem.
Quem é racional demais afirma que Deus não foge a esquemas previamente organizados, e que esses esquemas servem para tudo, desde a Criação até à liturgia cristã.
Quem supervaloriza a justiça social defende a idéia de um Deus que busca fundamentalmente a libertação dos pobres, a emancipação do Terceiro Mundo, o aperfeiçoamento das sociedades por meio da atividade político-partidária e dos movimentos sociais.
Quem é autoritário cria um deus vingativo, mais justo do que amoroso, como um policial do Universo, que espreita a todo instante para ver quem vai pecar. Esquecem que Deus é amor. Esse deus policial impõe medo, um verdadeiro terrorismo, que chama de "santificação" o processo de amedrontamento e aprisionamento de crentes, quando santificação é o processo de amadurecimento ético em Cristo.
Há também o deus materialista, para os que enfatizam o poder, os bens materiais e o dinheiro. Esse deus está muito em voga. Em outras épocas ele foi denominado "Mamom".
Dessa forma, cada um cria o deus que se encaixe melhor a sua ideologia. O problema é querer que o Deus da Bíblia se adapte aos modelos ideológicos. Com isso, cria-se um panteão supostamente bíblico: o deus do milagre, o deus passional, o deus racional, o deus policial, o deus social, o deus materialista, dentre tantos outros que sejam permitidos pela imaginação humana decaída.
Com o aumento das teologias, a gosto do freguês, os deuses se multiplicam.
Além disso, e nesse mesmo contexto, traduções manipuladas da Bíblia, bem como paráfrases, contribuem para as distorções. Hoje existem edições bíblicas dependendo do público. Ora, isso não é perigoso? Não se pode com isso contribuir para o aumento do panteão, pela modificação de características de Deus, adicionando-as ou diminuindo-as?
Portanto, é necessário revisarmos nossos conceitos de Deus. A única maneira de conhecermos a Deus é atentando para a Bíblia. Qualquer outro caminho conduz à criação de deuses à nossa imagem e semelhança.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.