domingo, 27 de abril de 2008

Crônica: Algumas ponderações para a reforma da Língua Portuguesa

Não me levem a mal, mas tenho a impressão de que a Língua Portuguesa não foi muito delicada com algumas figuras familiares. Refiro-me às palavras "sogro" e "sogra", "madrasta" e "padrasto" - creio que os próprios sogros e padrastos nem gostam desses termos que usamos para designá-los.
O vocábulo "sogro" lembra-me outra coisa, que não sei o que é no momento. Parece personagem de contos medievais, algo assim. Pense na seguinte frase: "Ali naquelas terras, vive um sogro solitário..." Não sugere uma imagem de filme fantasioso?
Quanto à palavra "sogra", além de ser associada ao "sogro", vem com a carga das piadas de sogra - aliás, de muito mau-gosto - e daquele artefato de festas infantis, a chamada "língua-de-sogra". Coitadas! Nunca entendi o motivo disso tudo. Deve ser porque meus sogros são muito gente fina.
Mas temos ainda a palavra "madrasta". Os contos de fadas apreciam essa figura da madrasta, que sempre vem retratada como megera ou bruxa. Lembram da história da Cinderela? E da Branca de Neve, lembram? Não vou citar outras, minha esposa disse que as outras são variantes destas. De qualquer modo, quando falamos de "madrasta", creio que fica impregnada em nosso inconsciente aquela idéia ruim das historinhas de criança.
Com a mudança dos costumes, com os casamentos cada vez mais efêmeros e instáveis, a família brasileira teve sua estrutura remodelada. Dessa forma, as madrastas e padrastos são freqüentes, abundantes.
De fato, há famílias em que os cônjuges (parceiros, companheiros, não sei mais) trazem para o recôndito do lar filhos de casamentos pretéritos, e todos convivem. O pai de um é o padrasto de outro, a mãe de um é madrasta de outro. Desse modo, une-se numa só casa a máxima personificação brasileira do afeto - a mãe - com a boa e velha madrasta. Eis a família feliz de nossos dias, a vitória dos paradoxos!
Há o caso dos casais que se separam e o marido precisa pagar pensão, o juiz regula visitas semanais, essas coisas. Os filhos vão passar finais-de-semana na casa do pai, com a presença inevitável da...madrasta, que na maioria das vezes deve ser gente boa.
Registre-se também que, assim como uma dupla de pai e mãe são os "pais", uma dupla de padrasto e madrasta é denominada "padrastos", o que atribui um peso ainda maior ao que já é denso.
Portanto, diante de todas essas injustiças e à necessidade de adaptarmos nosso vocabulário às transformações sociais, proponho uma reforma línguística no País, que confira maior leveza a essas personagens. Aceito idéias.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.