terça-feira, 15 de abril de 2008

Teólogo jornalista, teólogo jurista

Tenho receio de me tornar, no futuro, um teólogo jornalista, que é aquele tipo de teólogo que escreve sobre as tendências da teologia e da igreja, sobre os movimentos, sobre fatos sociais e históricos, mas sem uma fundamentação dogmática.
Tenho receio também de me tornar um teólogo jurista, que é aquele tipo de teólogo que acusa ou defende teses, mas que não se aprofunda para verificar se suas hipóteses são verdadeiras.
Talvez o meu juízo crítico e meu gosto por escrever me façam inclinar pelo jornalismo, enquanto a formação em Direito certamente me atrai ao jogo da argumentação e da apologética.
Sei que um pouco de jornalismo e de direito não fazem mal ao teólogo, e não posso, em sã consciência, desprezar esses ramos do conhecimento.
Não posso olvidar, por exemplo, que o médico Lucas empreendeu um nítido trabalho de reportagem ao escrever tanto o Evangelho que leva seu nome como o Livro de Atos dos Apóstolos. Ele mesmo diz ter feito "acurada investigação" (Lc 1.3), o que não ocorreu senão a partir de diálogos com pessoas que testemunharam os principais fatos ali narrados. Esse é o caso de um trabalho jornalístico em que se fez teologia, por meio da apresentação de fatos que, ordenados de determinada maneira, apontam para verdades espirituais.
Já um teólogo que fez sua teologia de modo um tanto jurídico foi o apóstolo Paulo, quando na Epístola aos Romanos estabelece a figura de um interlocutor imaginário com quem, ao dialogar, vai fixando a doutrina da justificação pela graça, mediante a fé. Ora, isso não é argumentação? Sim, embora não se trate de dialética, mas de diatribe, a Epístola aos Romanos lança mão de um recurso apologético muito claro.
Antes que alguém me acuse de pedantismo, é recomendável dizer que dialética é a oposição de tese e antítese para se chegar a uma síntese, enquanto diatribe é simplesmente a busca da verdade por meio do diálogo.
Paulo, ao usar a argumentação, não pode ser acusado de legalista, porque legalismo foi o que ele combateu. Uma coisa é o legalismo, que consiste em adotar um código moral como veículo de salvação; outra coisa, totalmente diferente, é o que poderíamos chamar de juridicismo, que seria a adoção da argumentação jurídica ou de palavras jurídicas para explicar um fenômeno qualquer.
O próprio Paulo usou figuras jurídicas para ilustrar verdades espirituais, como a adoção, a tutela, o vínculo matrimonial, o testamento, a herança, além de demonstrar farto conhecimento de direito.
Querem ver? Quando Paulo diz "Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm" (I Co 10.23), ele traça a distinção entre direito e moral, porque nem tudo o que é lícito (jurídico, legal) mostra-se ético. Quando diz que "a letra mata, mas o espírito vivifica" (II Co 3.6), ele afirma que o que importa é a essência da lei, e não meramente sua forma. Toda a proposição de Paulo sobre a lei em Romanos e Gálatas é recheada de conhecimento sobre o papel da lei em termos seculares, e demandariam um livro para sua análise, tamanha a riqueza teológico-jurídica!
Mas, fazendo essas considerações sobre Paulo e Lucas, devo reconhecer que eles foram sábios no uso de seus talentos. Acima de tudo estava a revelação divina, que se serviu do direito e da reportagem para apresentar ao mundo fatos e doutrinas fundamentais. Eles não ficaram disputando idéias pré-concebidas, nem usaram seus conhecimentos para benefício pessoal.
Espero, portanto, escapar de ser um teólogo jornalista ou um teólogo jurista. Quero ser simplesmente um teólogo que eventualmente usa ferramentas de outras áreas do saber.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.