segunda-feira, 14 de abril de 2008

Os teólogos de renome também erram

Quero dar uma palavra rápida e elementar sobre o Teísmo Aberto. Essa linha teológica defende um conceito de Deus como não sendo Onipotente nem Onisciente, mas vulnerável, ignorante do futuro e mais amoroso do que justo. Alguns autores norte-americanos ensinam essa "nova" conceituação de Deus, que na verdade não é nova, porque, segundo o Rev. Augustus Nicomedus Lopes, vem do antigo Socinianismo.
Quando da tsunami que matou cerca de 300 mil pessoas de uma só vez na Ásia, África e Oceania, esses teólogos passaram a escrever sobre a possibilidade de Deus ter ficado tão surpreso e triste quanto nós, seremos humanos. Eles partem do pressuposto de que coisas extremamente ruins não podem fazer parte do plano de Deus, e fogem aos Seus desígnios soberanos.
Esse ensino não se coaduna com a Bíblia. Ainda que fiquemos angustiados ou sem entender os mistérios da vida, precisamos atentar para o que está escrito. As Escrituras Sagradas apresentam-nos um Deus Onipotente, Onisciente e Onipresente, não por meio de uma definição - porque não é possível definir Deus -, mas por meio da descrição de Seus atributos morais e naturais, além da narração de maneiras como Ele vem se relacionando com o Homem.
Criar um deus à nossa imagem e semelhança é um erro e uma tentação a que os melhores teólogos podem sucumbir. Se somos sensíveis demais, a ponto de descrer em dados objetivos da Bíblia, precisamos entender que é Deus Quem fundamenta a Sua Palavra, e que não custa observar o que esse mesmo Deus fala a respeito de Si.
Não devemos ter preconceito: se os subjetivistas estão em igrejas "neopentecostais" - como gostamos de pensar -, é bom pararmos para admitir que eles também podem estar nas academias teológicas, nos seminários, nas conferências bem freqüentadas, enfim, nos círculos da intelectualidade cristã.
De toda sorte, o supostamente racional Liberalismo Teológico não deixa de ser, de fato, um subjetivismo que parte de opiniões pessoais sobre Deus e as Escrituras, apesar de se autoproclamar um ícone da racionalidade.
Essa é, no entanto, apenas uma palavra sem maiores pretensões.
Que Deus nos abençoe.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.