quarta-feira, 9 de abril de 2008

Nada sei

Dizem que a frase de Sócrates é "Sei que nada sei". Tive um professor de Sociologia e Ciência Política - o bom e velho Jefferson Boechat Soares - que afirmou estar a frase incompleta. Segundo ele, Sócrates teria dito: "Sei que nada sei, se é que sei". Sendo assim, o filósofo duvidava até mesmo de sua própria capacidade de perceber a ignorância que trazia consigo.
Como estudante de Teologia e apreciador do estudo e da discussão, sempre me atrevo a falar muito sobre assuntos que me interessam. Acho que isso tem muito da minha família, do meu temperamento, da minha inclinação pessoal ao mundo das palavras e da oratória. Talvez a formação em Direito tenha contribuído para isso, pois, como diria meu professor de Direito Comercial, o também inesquecível Daniel Amin Ferraz, "o instrumento de trabalho do operador do Direito é a palavra". Embora em meu trabalho eu só use a palavra escrita, acho que o Direito me ajudou também quanto à palavra oral, à argumentação, ao gosto pelo convencimento.
No entanto, sei que nós que falamos "demais" temos que estar cientes de que as pessoas nem sempre gostam de nos ouvir, e isso é normal. Criticam, discordam, criam polêmicas, ou não gostam das polêmicas que nós, os faladores, criamos. É certo que muitos dos silenciosos se fazem representar pelos faladores, mas não querem se dar ao embate, por várias razões. Eu entendo isso, e respeito plenamente.
O importante é estar preparado para a oposição e manter-se coerente consigo mesmo. Creio que o pior de tudo é a contradição no próprio discurso.
Mas eu quero destacar o fato de que, conquanto fale muito, eu nada sei. O falar nada tem que ver com saber. Quem sabe é Deus. Nós, mais ou menos faladores, somos todos ignorantes. No fundo, a única sabedoria que existe é temer a Deus (Pv 1.7). E é por isso mesmo que eu estudo: ciente de minha ignorância, vou estudar para ver se aprendo alguma coisa, já que "os loucos [é que] desprezam a sabedoria e o ensino" (idem).

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.