quarta-feira, 2 de abril de 2008

Igreja: tribunal ou oficina?

Quando minha mãe era jovem, lá em Salvador-BA, houve o convite para ela participar da diretoria da mocidade, algo assim. Ante a sua hesitação, o pastor respondeu: "Luizinha, a mocidade não é uma oficina de carros novos, mas uma oficina de carros velhos". É certo que isso ilustra a idéia que o pastor tinha da igreja como um todo. E aquilo foi tão importante que minha mãe jamais esqueceu.
Um diácono com quem congreguei em Sete Lagoas-MG dizia com propriedade: "A igreja não é cadeia. A igreja é casa de misericórdia".
Ambas são metáforas que ajudam a entender o que esses homens - o pastor baiano e o diácono mineiro - pensam da igreja: ela é oficina de carros velhos, é casa de misericórdia. A igreja trabalha com pessoas difíceis de consertar, e com enfermos.
No entanto, o caso das igreja-cadeia precisa ser tratado hoje, pois muitas igrejas parecem mais com uma cadeia ou tribunal do que com uma casa de misericórdia ou oficina de carros velhos.
A igreja que se comporta como tribunal julga as pessoas a partir de um código moral-social-estaturário que não se coaduna com a graça nem com a justiça de Deus: não se coaduna com a graça porque o pecador é salvo pela misericórdia de Jesus Cristo, mediante a fé; e não se coaduna com a justiça de Deus porque esta se perfaz, não com obras da lei, mas com a mesma fé, pois é a fé que justifica (ler Rm 4 - aliás, ler Rm, Gl e Cl como um todo; ler Hb, Hc2.4 e a história de Abraão, pois esse é o tema central da Bíblia!). Assim, uma igreja que julga não vive pela fé, mas pelas obras.
A igreja que se comporta como cadeia aprisiona os crentes, porque os submete a uma rígida esfera de padrões extraídos de uma moral social, e não da Bíblia. Enquanto Jesus veio para libertar e justificar, essas igrejas-cadeia vieram para aprisionar, escravizar, acorrentar. Falam do ministério de libertação, mas prendem com algemas de ideologia supostamente bíblica.
Em vez de um lugar de solidariedade e autenticidade, em que as pessoas se sentem livres para compartilhar seus pecados e receber o perdão, vejo que muitas igrejas são como clubes de pessoas boas e bem-resolvidas, que mantêm famílias "certinhas", sem nenhum problema social. Como é que pessoas moribundas, homossexuais, alcoólatras, viciadas em drogas, prostitutas, endividadas, ex-presidiárias, enfim, como é que pessoas totalmente "erradas" irão ser bem aceitas num lugar em que o mote é justamente a condenação do comportamento espúrio, mas numa visão legalista, sem espaço para a graça santificadora de Deus?
A igreja é oficina e casa de misericórdia. Se ela não fosse oficina, eu estaria parado numa estrada qualquer lá atrás, o carro teria morrido. Se ela não fosse casa de misericórdia, eu não estaria vivo, mas aniquilado por uma doença terminal, que é o pecado.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.