sexta-feira, 18 de abril de 2008

Dar um tempo

Penso em dar um tempo para mim mesmo, quero dizer, em favor de mim mesmo: gastar mais tempo em casa, com minha esposa e filha, sem me preocupar com os concursos da vida, sem me preocupar com o curso de teologia nem com as aulas que tenho que preparar para a Escola Dominical - um tempo, não para deixar de ser crente, mas para ser verdadeiramente um crente.
Dar aulas exige ter bastante coisa em depósito, e meu depósito está quase vazio. Na seara espiritual, isso é multiplicado muitas vezes, porque existe a responsabilidade pessoal, a questão da piedade, da disciplina cristã, do caráter.
Assistir aulas exige muita disposição, e minha disposição é bem pequena atualmente. Logo eu, que gosto tanto das discussões teológicas, dos bons professores, e de estar sempre presente na faculdade!
Tenho que orar mais, ler mais a Bíblia, ouvir mais, parar de querer dar opinião em tudo, o que inclui este blog. Tenho que gostar mais de ir aos cultos de minha igreja, sentar numa daquelas cadeiras e apreciar o (longo) andamento daquele roteiro de músicas, orações, testemunhos e pregação.
É difícil para mim dar esse intervalo. Há meses venho precisando disso, e relutando em fazê-lo. Minha esposa acha que eu preciso de férias de verdade. Em todas as minhas férias eu tenho estudado, eu não descanso efetivamente, embora tenha muitas horas de não fazer nada.
Dar um tempo não é recuar, não é fracassar. Uma vez em 2005 eu falei que iria dar um tempo para, naquela época, estudar para concursos, e um irmão me disse que eu deveria buscar em primeiro lugar o Reino de Deus. Ele achou que estudar para concursos seria deixar o Reino de Deus em segundo plano. Eu tive que ir à casa dele para dizer que ele estava errado em pensar assim.
Graças ao estudo, sou formado em Direito e tenho um bom emprego no funcionalismo federal. Minha esposa, minha filha e eu vivemos do que eu faço profissionalmente. Não é uma questão de priorizar o mundo, mas de ter que comer. Além de tudo, eu tenho sonhos também na área profissional e intelectual, um homem de trinta anos não pode se infurnar no templo da igreja o tempo todo. Talvez faça isso quem está sem emprego, mas eu não posso me dar ao luxo de ficar o dia inteiro no templo ou procurando alguma coisa para fazer na igreja.
Mas agora eu preciso dar um tempo por outro motivo, pois até mesmo o estudo para os concursos a minha esposa acha que devo interromper por uns dias. Não que eu esteja estudando muito ou estudando todos os dias, não é isso. O fato é que eu penso sempre nos concursos e na teologia, e emocionalmente vêm as culpas, a frustração, a sensação de não saber para onde estou indo.
Quem fala muito, como eu, precisa redobrar o exercício da escuta. E quem ensina vai receber maior juízo, não é isso que Tiago diz?
Quem sabe nesse percurso eu não descubra que minha suposta vontade de mudar o mundo não seja, isto sim, a tentação de visibilidade e de poder?

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.