sexta-feira, 4 de abril de 2008

João, o apóstolo do amor e da verdade*

Em sua Segunda Epístola, o apóstolo João faz uma exaltação ao amor, mas também à verdade. Somente nos quatro primeiros versículos, a palavra "verdade" aparece cinco vezes. É bom lembrar que se trata de um livro de apenas treze versículos, o que ressalta a importância da verdade nesse texto joanino. Escrevendo à "senhora eleita e aos seus filhos" (v. 1) como quem escreve a uma igreja estimada, João diz que os ama "na verdade", assim como aqueles que conhecem a verdade igualmente amam a senhora e seus filhos. Esse amor procede da verdade permanente ["que permanece em nós"] e envolvente [e conosco estará para sempre], conforme os vv. 1,2.Na saudação, o apóstolo une mais uma vez a verdade e o amor, dizendo que a graça, a misericórdia e a paz de Deus Pai e do Seu Filho Jesus Cristo estarão conosco "em verdade e amor" (v.3). A alegria do presbítero João (v. 1,4) é ver que os crentes daquela igreja vivem na verdade, de acordo com o mandamento recebido do Pai (v.4). Reforçando o mandamento do amor, o apóstolo faz uma afirmação muito rica: o amor de uns para com os outros é o mandamento recebido desde o princípio, e este amor consiste em andar segundo os mandamentos que recebemos do Pai. E, mais uma vez, num ciclo, o apóstolo diz que esse mandamento é o amor. Dessa forma, devo amar porque é um mandamento. E o amor é obedecer aos mandamentos, que se resumem no amor (vv. 5,6). Longe de ser tautológico, João afirma simplesmente que o fundamento da Lei de Deus é o amor, algo que Paulo trabalhou muito bem em Romanos, culminando com a frase: "o cumprimento da lei é o amor" (13.10).Em seguida, o apóstolo João se refere à extrema necessidade de confessar a Jesus como tendo vindo em carne (v. 7), e recomenda firmemente a observância da doutrina de Cristo (vv. 9-11). Para João, quem não ensina a doutrina do Cristo encarnado é enganador e anticristo (v. 7). Ele não mede palavras. Considera até mesmo que a desatenção à doutrina da encarnação de Cristo compromete a conquista de "completo galardão" (v. 8). E mais: não tem a Deus quem "ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece" (v. 9). É importante permanecer na doutrina para ser ligado ao Pai e ao Filho (v. 9).João é muito claro: a doutrina quanto à pessoa e obra de Cristo é fundamental. De maneira que alguns podem achar deselegante, João exorta a que não recebamos em casa pessoas que não trazem "esta doutrina" (v. 10). Não é sequer para fazer uma saudação (v. 10), dado o perigo de compactuar com o ensino herético (v. 11). É digno de nota que essas admoestações tenham saído da pena do chamado "apóstolo do amor". Com efeito, o amor cristão não é mero sentimento nem característica individual, mas uma ordem. A Bíblia está repleta de exortações ao amor, desde a Torah até o Apocalipse.Ao mesmo tempo, e sem conflito, é necessário apegar-se à verdade. Atualmente, alguns teólogos e líderes evangélicos andam ensinando uma espécie de amor que mitiga a verdade, como se houvesse uma incompatibilidade entre ambas as virtudes. Acham que a doutrina da Graça permite a manutenção de uma vida de pecado, ou que não existe verdade absoluta, pois "Deus é amor". É preciso entender que Jesus é o caminho e a vida, mas também é a verdade. Jesus é a verdade, e foi essa verdade que nos libertou (Jo 8.32,36). Transigir na seara doutrinária não é um bom caminho. Os relativistas teológicos deveriam refletir mais sobre as conseqüências de suas idéias na espiritualidade dos cristãos que os escutam e lêem.Precisamos, sim, de confissões de fé. Precisamos de referenciais. Precisamos de absolutos, ao menos naquilo que é a base de nossa Fé.João, o apóstolo, não viu oposição entre o amor e a verdade. Por que eu, então, faria diferente?
* Texto inserido também no "site" www.ultimato.com.br, no espaço "palavra do leitor". Aliás, recomendo a assinatura e exame freqüente da Revista Ultimato, sem dúvida o melhor periódico evangélico brasileiro.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.