terça-feira, 1 de abril de 2008

O Dia da Verdade

Em lugar do Dia da Mentira, deveria haver o Dia da Verdade. Sim, deveria existir um dia em que todo mundo se dedicasse a dizer somente a verdade, nada mais que a verdade, e sem a ajuda daquela maquininha ridícula que o Sílvio Santos usa num programa dominical de TV.
Com o Dia da Mentira, fica parecendo que a verdade é uma instituição social, o que, em absoluto, não procede. A sociedade trabalha muito à base da mentira. A mentira, longe de ser exceção, é uma regra social.
Basta vermos casos como o da política: os políticos em geral labutam em torno de mentiras. Fazem promessas que não cumprirão jamais. Até onde eu sei, prometer sabendo que não vai cumprir é uma forma de mentir.
A advocacia, profissão essencial à Justiça - como preceitua a Constituição - acaba sendo associada à mentira por causa dos maus profissionais que usam o engano como instrumento de trabalho. Forjando provas, fabricando testemunhas, aproveitando as fragilidades do sistema legal e distorcendo as palavras do adversário, o advogado mentiroso é um prejuízo à sociedade, à moral e ao próprio Direito.
Até mesmo cientistas usam a mentira, quando ajustam metodologias para alcançarem os resultados que querem. Um caso recente de mentira científica foi o do sul-coreano que proclamou ter clonado seres humanos - era tudo uma grande farsa.
Nas relações negociais e empresariais, reina a mentira. O fornecedor de produtos ou serviços não raro esconde os defeitos daquilo que oferece, e exalta demasiadamente aquilo que vende. Os altos executivos muitas vezes exercitam o blefe, assim como típicos jogadores nos cassinos ou mesas de bar.
O Brasil eu ainda não sei se é o País da mentira ou um País de mentira. Realmente não entendo como nós conseguimos ser tão falsos quanto a nossos próprios problemas. Não resolvemos nada do que precisa ser resolvido, instauramos uma CPI quando o escândalo surge, e depois lavamos as mãos, porque, segundo a velha toada, "o Congresso não pode legislar sob pressão". Quer dizer, eles não legislam sob pressão, mas também não legislam sem pressão. Tudo é uma ficção, um faz-de-conta, uma novela de mau-gosto.
Deveríamos ficar tristes com a eleição de um dia inteiro para a mentira.
O pior de tudo é quando a mentira adentra a igreja. Isso é o fim. O apóstolo Pedro nos advertiu dizendo que "falsos mestres" fariam "comércio" de nós com "palavras fictícias" (II Pe 2.1,3). Esses homens (e mulheres) estão baseados na mentira: a) são falsos mestres; b) introduzem dissimuladamente heresias destruidoras; c) renegam o SENHOR que os resgatou, o que implica numa negação da realidade espiritual; d) contribuem para a infamação do "caminho da verdade".
Ora, quem não é capaz de admitir que uma heresia consiste num ensino mentiroso sobre Deus? Quem não consegue admitir que essas teologias estapafúrdias da prosperidade e da confissão positiva estão falando de um deus que não é o Deus bíblico? Isso é mentira ou não? Será que até mesmo o conceito de mentira eles conseguiram distorcer? Será que fazem o mesmo jogo de palavras que certos governantes, para escapar de uma condenação política e jurídica, e continuar enganando o povo? Aliás, êta povinho que gosta de ser enganado, hein? Refiro-me ao povo brasileiro, o que está infelizmente afetando as igrejas!
Deveríamos saber que o pai da mentira é o diabo. Foi Jesus quem disse isso, como segue:
"Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu vos digo a verdade, não me credes" (Jo 8.44,45, na ARA).
Quem vive mentindo está fazendo o que o diabo inventou. Dizemos que o diabo não criou nada, mas distorceu as criações de Deus. Por exemplo, Deus criou o casamento, e o diabo inventou o adultério, a fornicação, a prostituição, a impureza. Deus criou a autoridade, e o diabo inventou o autoritarismo. Deus criou a música, e o diabo inventou as festas orgiásticas regadas a danças frenéticas. Enfim, o diabo continua mentindo ao ser humano, com se as coisas que ele inventou tivessem algum valor em si mesmas, quando na realidade terminam por afastar o homem de Deus.
É triste saber como o Dia da Mentira é valorizado. Não me refiro ao Dia em si, mas a todas as práticas que cotidianamente fazem desse Dia uma síntese da vida.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.