sexta-feira, 11 de abril de 2008

Devemos dar azo à "nova espiritualidade"?

Pergunto se devemos nos render à chamada "nova espiritualidade", em que, por exemplo, pessoas que se dizem evangélicas misturam o nome de Jesus com amuletos (galhos de arruda, sal grosso, rosas, cruzes...) e práticas não descritas para a Igreja neotestamentária (descarregos, festas judaicas, ritos os mais diversos...).
Em nome da liberdade individual, devemos sacrificar a objetividade das Escrituras? Será que não existe um parâmetro bíblico para os meios de falar com Deus e ouvir a Deus?
Creio que não defendo o legalismo quando penso na fixação de limites, pois é importante admitirmos que o fetichismo é pagão. A Fé Cristã não se coaduna com rituais porque Cristo é a nossa verdadeira religião. Se exagerarmos na questão da experiência que me dá prazer ou me faz achar que Deus está Se agradando de mim, corro o risco de acrescentar à Palavra do SENHOR símbolos que em nada traduzem o significado da Cruz de Cristo.
Não se trata de impor uma forma à religiosidade das pessoas, mas justamente tratar da essência do Cristianismo evangélico. Estamos buscando o quê? Queremos estabelecer uma espiritualidade alheia à Bíblia? Não deveríamos reconhecer que é Deus Quem conhece nossas necessidades mais profundas?
Deus estabeleceu a oração como veículo de conversação com Ele, em nome de Jesus; estabeleceu o batismo nas águas como ordenança de publicação da fé e integração do novo crente à comunidade eclesiástica; estabeleceu a Ceia como memória da morte de Cristo, exercício de comunhão e anúncio da mensagem cristã; disse que Cristo é a nossa Páscoa; propiciou o jejum como disciplina acessória da oração; fixou a reunião pública como ambiente adequado de culto cristão; propôs o ensino em casa, no âmbito da própria família; deu-nos o Seu Espírito para nos consolar, edificar, exortar, ajudar, ensinar. O que queremos mais?
O apóstolo Paulo jamais incentivou o uso de objetos com efeitos espirituais, nem deu margem à subjetividade em detrimento da objetividade escriturística.
Em Éfeso (cf. At 19.8-20), onde ele passou três meses freqüentando a sinagoga - "dissertando e persuadindo com respeito ao Reino de Deus" -houve depois a necessidade de ir ensinar na escola de Tirano, pois os judeus "empedernidos e descrentes" falavam mal do "Caminho" enquanto o apóstolo ensinava.
Assim, por espaço de dois anos, esteve Paulo falando a judeus e gregos, de modo a alcançar um público que habitava toda a Ásia Menor (atual Turquia). Pelas mãos de Paulo eram operados "milagres extraordinários", a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais de seu uso pessoal, diante dos quais as enfermidades fugiam das suas vítimas, e os espíritos malignos se retiravam".
Note-se que isso ocorreu, e, embora não tenha merecido nenhuma nota contrária da parte do escritor Lucas, não foi tomado como regra para as igrejas. Paulo nunca escreveu em Suas Epístolas que se deve pegar lenços e aventais do pregador e levar até os enfermos, para que sejam curados. Aquilo aconteceu, de fato, mas não é normativo.
Antes disso, em Jerusalém (cf. At 5.12-16), pessoas chegaram a levar enfermos "até pelas ruas e os colocarem sobre leitos e macas, para que, ao passar Pedro, ao menos a sua sombra se projetasse nalguns deles". O clima era semelhante àquele de Éfeso, porque havia "muitos sinais e prodígios" operados pelas mãos dos apóstolos. Além disso, as pessoas se reuniam "de comum acordo" no templo (precisamente no Pórtico de Salomão); os crentes eram admirados por todos na cidade; a multidão de crentes crescia "mais e mais"; vinha "muita gente das cidades vizinhas...levando doentes e atormentados de espíritos imundos, e todos eram curados".
Para ambos os episódios, Lucas usa palavras e expressões que denotam um cenário grandioso: "todos os habitantes da Ásia"; "milagres extraordinários"; "muitos sinais e prodígios; "multidão"; "crescia mais e mais"; "muita gente" de outras cidades. O objetivo era mostrar que se tratava de um movimento importante, de bases populares, que não estabelecia metas nem métodos de atração de multidões nem crescimento. A Palavra de Deus era anunciada, o poder de Deus se manifestava, e o resultado era a aceitação em massa de Jesus como Salvador, tanto de judeus como de gregos.
Agora, o que ocorre em nossos dias? Estamos diante de um movimento espontâneo das massas? A Palavra de Deus está sendo pregada a essas multidões que lotam templos monumentais? Milagres extraordinários, muitos sinais e prodígios estão sendo experimentados entre essas pessoas? O uso de objetos com efeitos espirituais - para ajudar a fé - não é concebido e manipulado pelos líderes de grupos eclesiásticos como instrumento de atração das inúmeras pessoas que se acham em demandas variadas?
Dirão que muitos evangélicos de igrejas históricas e pentecostais buscam esses cultos fetichistas, e que por isso não se deve atribuir o fenômeno ao paganismo. Será? O paganismo é exclusivo de alguém? Teremos a coragem de disseminar a idéia de que o paganismo é uma religião estanque, ou não será mais válido dizermos que o paganismo é um traço da cultura brasileira, muito interessado, por sinal, em marcar também a Igreja?
É sério o nosso tempo. Estamos diante de um dilema: ou reafirmamos nossas bases de Fé ou eu não sei onde vamos parar.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.