quarta-feira, 23 de abril de 2008

O olhar de um estrangeiro (conto)

Cheguei agora há pouco a este mundo. Estou começando a me adaptar aos costumes de um povo muito diferente. Ainda me pego assustado, surpreso e pensativo. Há muito o que aprender e não aprender com eles.
Vejo homens com roupas cheias de panos andando sob um sol escaldante, que faz o horizonte tremular. Eles usam no pescoço um pano que dá um nó e deixa o calor ainda mais forte. Por cima de uma veste, existe outra, bem calorenta, que se abotoa e esconde parte dessa tira que envolve o pescoço.
As mulheres usam roupas demasiado compridas. Em vez de bonitas, parece que lutam para ficar mais feias. Acho que há uma disputa para ver quem é a mais feia de todas. A fealdade feminina deve ser uma virtude por aqui. A vaidade natural das mulheres foi substituída por alguma coisa que ainda não consegui visualizar.
Parece-me que a moda desse povo é acompanhar a moda de décadas atrás, porque descobri, vendo filmes e livros, que assim se vestiam seus pais e avós. Deve ser, enfim, um critério de bom gosto.
Adultos, jovens, adolescentes e crianças vestem-se com roupas parecidas, mudando só o tamanho. A infância deles é uma etapa que antevê o futuro padronizado de todos. O menino é um homenzinho, a menina, uma mulherzinha. As mesmas roupas calorentas se vêem nas crianças e adolescentes, como um uniforme que varia do preto ao cinza.
Vejo também que esse povo usa um livro sagrado, mas não entende direito o que ele diz. Há uma retórica de que o livro é a palavra divina, mas ao mesmo tempo dizem que não se deve estudá-lo. Em minha cultura, lá no meu planeta, isso seria chamado de contradição, mas realmente não sei como eles denominam esse fenômeno por aqui. Talvez seja normal dizer que um livro é palavra divina e não reconhecê-lo como fonte de ensino. Talvez seja algo do misterioso, do sobrenatural, do místico.
Eles reúnem-se num prédio simples e cantam músicas sagradas. O líder fala, mas nada impede que outros atravessem com idiomas diferentes, que ninguém entende. Às vezes aparece alguém com uma interpretação, mas é raro. Via de regra, falam-se várias línguas, e, por estranho que possa parecer, quanto menos se entende o idioma mais alegria se vê entre o povo!
Acompanhei algumas dessas reuniões. Enquanto o líder falava no vernáculo, havia silêncio. Quando, porém, ele falou em língua desconhecida, houve grande emoção, e outros passaram a dizer palavras em língua desconhecida. A comoção é generalizada quando isso acontece. Eu confesso que ainda não compreendi isso, embora tenha me esforçado bastante. Talvez seja o mesmo interesse pelo misterioso, sobrenatural e místico, como se a sacralidade deles estivesse no desconhecido, e não em algum tipo de revelação.
Outro dia uma dessas pessoas se levantou dizendo que traria uma revelação. No entanto, no meio do discurso, disse que era mistério. Aí eu já não entendi nada: é revelação ou mistério? Mais uma vez aquela questão da contradição!
Tenho lido o livro sagrado desse povo, ao mesmo tempo em que estudo um livro de gramática e interpretação de texto, usado pelas escolas primárias. Usando os princípios gramaticais e de interpretação contidos nesse livro didático, parece que há uma distância entre o que está escrito e o que este povo faz em sua prática, ao menos quanto a algumas coisas de seu culto e de seu discurso.
Será que a regra entre eles é justamente negar e contradizer o escrito para finalmente despertar o âmago das coisas? Será uma tática filosófica? Que lógica conduz esse povo? Quem foi seu fundador? Que estupenda inteligência inspira seus raciocínios? Seria, afinal, a experiência diária e costumeira a chave para se chegar à verdade que eles dizem existir?
Que espécie de cultura é esta? Temo jamais descortiná-la.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.