terça-feira, 15 de abril de 2008

A objetividade da Escritura versus a subjetividade moderna*

A objetividade da Palavra ou a subjetividade moderna?
Parece que nestes dias pós ou hiper-modernos (como queiram), assistimos a duas propostas teológicas que tentam resolver o problema de eficácia da mensagem evangélica: de um lado, há os que defendem maior racionalização do discurso evangelístico e da prática eclesiástica; de outro lado, há os que entendem que a missão da Igreja é se adaptar aos novos tempos, dando margem ao subjetivismo, às experiências de cada um, à "nova espiritualidade", à maneira como cada indivíduo quer se chegar a Deus.
Não creio que devamos enaltecer a subjetividade sob o pretexto de com isso estar respeitando o pecador ou sendo sensível aos anseios do mundo.
As experiências só são válidas quando amparadas nas Escrituras Sagradas. Uma experiência carismática, por exemplo, como o falar em línguas, tem base bíblica. Assim, posso unir subjetividade e objetividade. No entanto, usar petrechos como sal, óleo, galho de arruda, rosa, "água sacrossanta e fluidificada", "éfode sacerdotal", e tantas outros objetos, nada disso ajuda a fé de ninguém, porque foge dos parâmetros bíblicos.
Como a fé é confiança na Palavra de Deus, eu preciso atentar para o que Deus diz, e não usar a fé como uma espécie de predisposição mental para conseguir o que eu quiser. Isso não é Evangelho, mas espiritualidade relativista, pluralista e hedonista.
Jesus é o Único Salvador, e é também Aquele que irá julgar os homens segundo as suas obras. Há critérios objetivos, sim.
Por outro lado, penso que a experiência tenha um papel muito importante, desde que bem entendida à luz da Bíblia. A experiência da conversão, a experiência da plenitude do Espírito, a experiência da santificação diária, a experiência de uma cura ou milagre, a experiência da profecia, das línguas ou de outros dons carismáticos, tudo isso possui fundamentação escriturística.
Além disso, Jesus, como o Verbo Encarnado, praticou a experiência do esvaziamento de Si mesmo (kenosis), do sofrimento, da morte, da ressurreição e da ascensão. Tudo isso ocorreu.
Antes, os Evangelhos narram fatos que ocorreram entre Jesus e pessoas que efetivamente existiram. Foram encontros, reuniões, diálogos, confrontos. Jesus falou, ouviu, tocou, amou, cuidou, exortou, ensinou, perguntou, apanhou. Ele teve experiências.
A Bíblia é um Livro que registra experiências, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Algumas delas são para nós hoje, como o exercício de dons espirituais e de ofícios eclesiásticos, mas não passaremos pelo Mar Vermelho nem pelo Rio Jordão divididos, não subiremos num carro de fogo como Elias, não seremos ressuscitados ao tocar nos ossos de Eliseu, não sairemos de Ur dos Caldeus para fundar uma nação.
É necessário dizer que toda essa questão de subjetividade, quando levada ao extremo, cria costumes como os chamados "atos proféticos", que nada têm que ver com a boa hermenêutica e exegese bíblica, porque não partem de uma análise adequada do profetismo israelita, que cumpriu uma função até Cristo. Todo esse movimento judaizante, de imitar festas e símbolos judaicos, é uma aberração porque eleva o subjetivismo acima da objetividade da Bíblia!
Creio que precisamos, sim, observar os cânones objetivos da Palavra do Senhor, para suas doutrinas, e conhecer Confissões de Fé e Credos. Precisamos reafirmar as bases de fé, sempre tendo o cuidado de não destruir o pecador junto com o pecado.
O que não pode acontecer é mudar a mensagem bíblica em benefício de uma suposta adequação da mensagem aos tempos hodiernos.
Podemos mudar o método ou a atitude, sendo mais inteligentes e mais amorosos. Mas não devemos mudar aquilo que é essencial: Cristo morreu pelos nossos pecados.
* Texto publicado também no "site" da Ultimato, na seção "Palavra do leitor". Aqui está com ligeira revisão.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.